Mais de 35 milhões de pessoas no Brasil apresentam problemas na visão, esse é um número bem expressivo, não é mesmo? Ainda, a OMS estima que 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados com o tratamento correto no oftalmologista.  

Os números espantam! Mas, entre as diversas doenças dos olhos que podem acometer um indivíduo, duas delas podem levar à cegueira caso o tratamento seja negligenciado: a catarata e o glaucoma. 

O que é catarata e como evitá-la? 

A catarata é um problema bem comum da visão, estima-se que cerca de 160 milhões de pessoas sofram com a doença ao redor do mundo, sendo ela responsável por até 51% dos casos de cegueira. Mas, a catarata é uma doença tratável e com cura, por isso a importância da conscientização sobre ela.  

A catarata pode ser congênita ou adquirida, ela se apresenta como uma opacificação do cristalino, que é a lente natural do olho, deixando-o leitoso ao ponto de não ser possível mais enxergar.  

Quando congênita, pode se apresentar nos mais jovens. No entanto, a probabilidade maior é que apareça em idosos acima de 60 anos, ocasionada por fatores como: 

Como tratar Catarata? 

A catarata é tratada por meio de uma cirurgia onde se remove o cristalino danificado, e no seu lugar é implantada uma lente que pode ser rígida ou flexível, além de poder ser monofocal ou multifocal. As lentes para cirurgia de catarata oferecidas pelo SUS costumam ser rígidas e monofocais. Mas,  em tratamentos privados, o paciente pode optar por lentes flexíveis e multifocais que resolvem outras aberrações oculares como o astigmatismo e hipermetropia, dispensando muitas vezes o uso dos óculos após a cirurgia. 

Não existem medicamentos que tratem a catarata, ou que impeçam seu aparecimento, sendo sua cura atingida apenas com a cirurgia de remoção e substituição do cristalino com lentes para cirurgia de catarata.  

O que é glaucoma e como evitá-lo? 

O glaucoma é uma doença da visão que se dá pelo aumento da pressão arterial dentro do globo ocular.  Por sua vez, pode ocasionar a cegueira quando há destruição das células ganglionares (nervo óptico), estrutura que liga o olho ao cérebro occipital e responsáveis pela condução das imagens da retina até ao cérebro. 

O glaucoma pode ser congênito ou adquirido, sendo as principais causas do aumento da pressão dos olhos, infecções oculares ou diabetes. Os sintomas da pressão alta nos olhos são quase sempre silenciosos, observados mais em consultas com o médico oftalmologista. Sinais como olhos vermelhos, olhos lacrimejantes, fotofobia (sensibilidade à luz), dor nos olhos, dor de cabeça são também frequentes; além de uma visão deteriorada.  

Sendo uma doença silenciosa, como evitar o glaucoma? A melhor forma de evitar é a prevenção, realizando as consultas regulares com um médico oftalmologista pelo menos uma vez por ano. Sendo uma doença crônica e sem cura, pode ser controlada com o uso de medicamentos apropriados para normalizar a pressão intraocular, além de impedir que a doença avance e provoque a perda da visão. 

Como tratar o glaucoma? 

Como o glaucoma não tem cura e os sintomas de pressão alta nos olhos são difíceis de se notar, o acompanhamento com o médico é essencial para saber como evitar o glaucoma. O tratamento mais comum é com uso de colírios que atuam na redução ou estabilização da pressão intraocular. Em alguns casos, podem ser combinados com o uso de medicamentos de via oral.  

Além disso, é essencial que exista a prevenção e tratamento adequado de doenças crónicas, como a diabetes, que pode ocasionar e piorar um quadro de glaucoma. 

Alguns pacientes, no entanto, podem necessitar de tratamento cirúrgico para diminuir a pressão intraocular.  

O que fazer quando catarata e glaucoma coexistem? 

Com o aumento da expectativa de vida da população, o número de pacientes que possuem ambos, glaucoma e catarata, vem aumentando. Mas nesse cenário, como as doenças podem co-existir? 

A catarata pode surgir, inclusive, em razão da existência do glaucoma. Quando o paciente diagnosticado com glaucoma precisa de uma cirurgia para controle da pressão intraocular e já apresenta catarata, pode ser uma ótima oportunidade para remoção do cristalino e implante das lentes para cirurgia de catarata no mesmo procedimento. 

Em resumo, a melhor forma de garantir que nem o glaucoma, nem a catarata sacrifiquem sua visão, é uma rotina de consulta no oftalmologista para acompanhamento.